sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

PEC 300, por uma vida mais digna!

O projeto de Lei PEC 300/2008, de autoria do Deputado Arnaldo Faria de Sá - PTB/SP, estabelece que a remuneração dos Policiais Militares dos estados não poderá ser inferior à da Polícia Militar do Distrito Federal, aplicando-se também aos integrantes do Corpo de Bombeiros Militar e aos inativos. Altera a Constituição Federal de 1988. Tal projeto, apresentado em 04/11/2008, não foi votado até hoje. A solução encontrada por Policias Militares de todo o Brasil foi entrar em greve.

Há quem afirme que eles não tem o direito de cruzar os braços em prol de melhorias salariais, profissionais e de vida, mas essas mesmas pessoas que acusam os policiais de estarem infringindo a Constituição brasileira, vivem entrando em contradição. Entenda: no caso de paralisação da classe, os policiais são equiparados aos militares (das Forças Armadas), porém em termos de direitos (inclusive o salarial) as Policiais Militares voltam ao posto de Forças Auxiliares (o que de fato são)! Já não está mais do que na hora de entrarmos em acordo quanto a essa definição?

Fato é que, embora haja corruptos (como em qualquer profissão do mundo) a maioria dos policiais que formam o efetivo das PMs de todo o Brasil, são homens e mulheres íntegras que honram a sua profissão e arriscam suas próprias vidas diariamente em defesa da sociedade. Se o governador do Rio de Janeiro pode ganhar em 2011 um salário de R$12,9 mil para ficar em seu gabinete com todas as regalias possíveis, porque um Soldado da PMERJ tem que ganhar apenas R$ 1.404,00 para enfrentar a violência diária em defesa da sociedade? Por que a diferença de salários entre Estados? Se Brasília tem a melhor remuneração, há de se convir que todos os policiais militares recebam a mesma quantia. À final, o que muda é a jurisdição, a profissão e os riscos por eles enfrentados são os mesmos!
Eu apóio a greve!!

Nenhum comentário:

Postar um comentário