quinta-feira, 30 de agosto de 2012

Era mesmo amizade?!

Há pouco tempo passei por uma situação que, até hoje, não consigo entender como ela surgiu. Enquanto coloco meus pensamentos em dia, surgiu a ideia de escrever este post pra ver se, lendo o meu próprio texto, chego a alguma conclusão que me satisfaça. Vamos lá!
 
O ser humano é repleto de defeitos, talvez mais do que qualidades, mas suportar e compreender estes defeitos são uma das coisas que nos diferencia dos outros animais. Aliás, é o principal fator que nos leva fazer amigos porque não há nada melhor do que não ter que ficar se explicando a cada segundo. A pessoa que se diz sua amiga vai te entender de um jeito ou de outro. Mais cedo ou mais tarde.
 
Depois de muitos tropeços na vida descobri um jeito de conseguir mais vitórias pessoais, alcançar mais dos meus objetivos. Outra coisa que eu conheço bem a meu respeito é que eu nunca gostei de pedir nada a ninguém, não por orgulho, mas por achar que não mereço – mas isso é assunto pra outro dia!
 
De alguns anos pra cá adotei a tática do “faço primeiro e conto depois” pra todas as coisas que faço. Nem mesmo em casa comento sobre meus planos. Aprendi isso depois que vi na televisão uma entrevista na qual a mulher falava: “vivemos cercados de energias negativas o tempo todo. Tudo o que falamos essas energias captam e tentam atrapalhar nossos planos de alguma forma!” independente de crenças religiosas, eu acredito neste conceito.
 
 
 
Resumindo: fiz um concurso público calada! Nem mesmo meus pais sabiam. Passei na prova. Passei nos exames médicos. E no mesmo dia que eu estava me preparando pra contar a novidade aos meus amigos a bomba explodiu! Surgiu do nada, na pior forma possível: através de uma pessoa muito querida!
 
Fui acusada de trair a confiança dos meus amigos porque não contei que estava prestando esse processo seletivo. Fui acusada de não confiar nos meus amigos simplesmente porque lutei por algo meu em silêncio, sem partilhar todos os meus passos. No final de tudo essa tal pessoa me disse que somente agora havia me conhecido de verdade.
 
 
Esperem um momento: que tipo de amizade é essa que, ao invés de celebrar a sua vitória, vê apenas o seu “defeito” de querer fazer primeiro e depois contar? Que amizade é essa que te joga coisas do passado na sua cara? Que amigo é esse que te pede pra tratá-lo com insignificância a partir deste momento?
 
 
Eu não consigo definir! Nem mesmo lendo e relendo meu texto. Ainda tento entender de onde veio essa raiva toda. Será que antes não era amizade? Será que era apenas uma máscara pra encobrir a inveja ou a falsidade? Não gosto nem de pensar nisso e sabem por quê? Porque mesmo levando essa surra, ainda gosto da pessoa, a final, da minha parte sempre foi uma verdadeira amizade!

2 comentários:

  1. Convite
    Passei por aqui, para lê o seu blogue.
    Admirável. Harmonioso. Eu também estou montando um. Não tem as Cores e as Nuances do Vosso. Mas, confesso que é uma página, assim, meia que eclética. Hum... bem simples, quase Simplória. E outra vez lhe afirmo. Uma página autentica e independente. Estou lhe convidando a Visitar-me, e se possível Seguirmos juntos por Eles. Certamente estarei lá esperando por você, com o meu chapeuzinho em mãos ou na cabeça.
    Insisto que vá Visitar-me, afinal, o que vale na Vida, são os elos de Amizade.

    Deixe no comentário, o endereço do seu blogue, para facilitar, a retribuição em Segui-lo.


    www.josemariacosta.com

    ResponderExcluir
  2. Já passei por uma situação semelhante a sua, também acredito que realizar e depois contar é o caminho para que nada possa dar errado, mas nem todos entendem.

    ResponderExcluir